ELEIÇÕES NOS EUA: TEMA QUE MOBILIZA O PARTIDO REPUBLICANO, ABORTO NEM SEMPRE FOI PROIBIDO POR IGREJAS CRISTÃS AMERICANAS. ENTENDA

Em artigo, jornalista Nicholas Kristof, do ‘New York Times’, questiona o apoio de pessoas religiosas ao chamado movimento ‘pró-vida’ e lembra que a Igreja nem sempre foi contrária à interrupção da gravidez

Milhões de cristãos americanos estão inclinados a votar no presidente Donald Trump na última terça-feira (3) porque acreditam ser uma obrigação religiosa apoiar um presidente que nomeará juízes “pró-vida” à Suprema Corte dos EUA.

Mas tenho observado que há uma revisão incipiente em andamento nos círculos evangélicos e católicos sobre o que significa ser “pró-vida”, e deixe-me tentar engrossar esse caldo: a verdade é que a abordagem em relação ao aborto por parte de muitos cristãos conservadores é anômala, tanto religiosa quanto historicamente.

Acesse a matéria completa no site de origem.

Fonte: Agência Patrícia Galvão

Deixe uma resposta