SANTA CASA : EMPRÉSTIMO É A SALVAÇÃO IMEDIATA

postado em: Sem categoria | 0

Hospital aguarda pelo Banrisul para aliviar a situação financeira e reorganizar sua estrutura

A luz no final do “corredor” de dificuldades da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas tem nome: Banrisul, instituição financeira que sempre se orgulhou de ser o “banco dos gaúchos”, assim como o hospital é o suporte em atendimento em saúde da população de 23 municípios da Zona Sul do Rio Grande do Sul.  É que a instituição hospitalar aguarda pela resposta positiva à iniciada negociação de empréstimo financeiro no valor de R$ 60 milhões. Será o que se pode chamar de encaminhamento da parcial “salvação momentânea da lavoura”.

Segundo o provedor do hospital, João Francisco Neves da Silva, o aporte financeiro dará um fôlego considerável à instituição. Num primeiro momento, serão liberados R$ 10 milhões, os quais servirão de suporte à folha de pagamentos dos funcionários da Santa Casa, pelos próximos 90 dias. O complemento do valor, mais R$ 50 milhões, ajudará na reestruturação do sistema, com a colocação em dia de várias pendências. A Santa Casa, segundo o provedor, não terá dificuldades para cumprir com o que for ajustado.

Enquanto isso, na calçada pela rua General Neto, funcionários da instituição estão de braços cruzados, em greve pelos salários atrasados.

“No momento, não há recursos para colocarmos os salários dos funcionários em dia”, adianta o gestor. A solução, de acordo com o provedor, virá pelo empréstimo encaminhado. Os serviços, no entanto, continuam sendo prestados: por enquanto não há nada parado. Em caso de negativa ao aporte financeiro solicitado, inevitavelmente, alguns serviços deixarão de ser oferecidos.

“Infelizmente, teremos de fechar alguns”, lamenta o provedor, salientando que sua expectativa aponta para uma definição positiva quanto ao empréstimo haja vista o apelo político da região para sensibilizar os gestores do Banrisul.

Recentemente, o banco divulgou que no primeiro semestre deste ano atingiu lucro líquido de R$ 655,3 milhões, uma evolução de 29,5% em relação ao mesmo período de 2018. Outro fator que deverá pesar em favor da Santa Casa é o fato de o governador Eduardo Leite ser de Pelotas e conhecedor da importância e necessidades do hospital.

EXPECTATIVA do provedor é pelo aporte financeiro solicitado para ajustar as pendências do hospital

EXPECTATIVA do provedor é pelo aporte financeiro solicitado para ajustar as pendências do hospital

APOIO AO PS

Outro fator positivo que o aporte financeiro injetará na Santa Casa é o “desafogo” no Pronto Socorro. O provedor confirma que há leitos disponíveis, o que não há é suporte para a sua ocupação. Faltam principalmente os insumos necessários para o atendimento aos pacientes.

“A Santa Casa não vive uma crise de gerenciamento, mas sim, problemas acumulados ao longo dos anos pelas diferenças nos valores dos custos dos serviços”, prossegue o gestor, lembrando que o SUS cobre apenas R$ 53,00 a cada R$ 100,00 gastos pelo hospital. “Nós não sairemos sozinhos da crise”, aponta.

Ainda de acordo com João Francisco Neves, a dívida atual da Santa Casa chega a R$ 60 milhões. A instituição possui 940 colaboradores em seu quadro de funcionários.

VIAGEM – Por outro lado, o provedor confirma que no período entre 23 deste mês e 18 de setembro estará ausente do município em compromisso agendado bem desde antes de assumir à provedoria. A “vida” da Santa Casa, no entanto, seguirá “normalmente”, sob os cuidados do vice-provedor, Maurício Goldbaum.

Fonte: Diário da Manhã

Deixe uma resposta