Protestos esperam Bolsonaro na Argentina; visita visa agradar mercado e dar “vida extra” a Macri

Com um número de 12 milhões de pessoas em situação de pobreza crescente (aproximadamente 30% do total), com uma inflação anual em alta (acima de 40%), com uma desvalorização da moeda e com um desemprego formal que resiste na faixa de 9%, o presidente Mauricio Macri acaba de ser arrebatado por uma grande greve geral que paralisou a Argentina.

Já no Brasil estagnado, os índices dos 5 meses de governo Bolsonaro também são complicados e já mostraram as dificuldades que o governo tem para restabelecimento da atividade econômica do país.

Para além dos discursos, ambos os mandatários trazem desconfiança para o mercado e para os trabalhadores. As pesquisas de opinião mostram um Macri desidratado, com dificuldades para competir eleitoralmente com Cristina Kirchner ou qualquer um que ela venha a apoiar. Da mesma forma que a lua de mel de Bolsonaro parece ter acabado mais rápido do que qualquer analista político poderia prever, perdendo apoio em todas faixas etárias, sexos, regiões e classes sociais.

Nesta quinta-feira (6) os dois presidentes buscarão traçar iniciativas para impressionar o público e recuperar a confiança do mercado. Entretanto, parece que isso não será tão fácil, já havendo protestos marcados por movimentos sociais na Praça de Maio, centro de Buenos Aires, contra a visita de Bolsonaro.

Não bastasse o contexto conflitivo, Bolsonaro deu mais uma de suas entrevistas polêmicas para o jornal La Nación, inclusive quebrando o protocolo ao se intrometer na política interna argentina.

Criticando a oposição e defendendo Macri, inclusive fazendo referências ao processo eleitoral por vir, Bolsonaro fez ataques diretos e nominais a Cristina Kirchner, associando seu governo à Venezuela, Cuba e corrupção, como é de costume, e, inclusive, apesar da crise, pedindo paciência do povo argentino com Macri.

A expectativa sobre a visita, para além dos protestos, é de que sejam tomadas medidas para ações bilaterais no âmbito do Mercosul e também sobre o tema da Venezuela. Sobre questões bilaterais, os indícios sinalizam acordos pontuais na área energética e de biocombustíveis.

Mercosul “enxuto” e o ALC com a UE

Após declarações desastradas de Paulo Guedes depois da eleição, Macri foi o primeiro chefe de Estado e governo a visitar o Brasil oficialmente para acordos bilaterais. Naquele momento, ambos falavam de um Mercosul “enxuto”, que resgatasse os princípios da fundação (Tratado de Assunção, 1991) do bloco, tomando medidas para flexibilizar tarifas e diminuir a burocracia entre os membros.

O Acordo de Livre Comércio (ALC) entre o Mercosul e a União Europeia não avançou, principalmente, por desarcordos e polêmicas em três níveis: concepções de governança; de regras de comércio; e o diálogo social. Em especial, na área ambiental e trabalhista.

A ausência, o descompasso ou inadequação de mecanismos de controles e ações dos Estados Nacionais nessas áreas prevêem uma trágica situação de desenvolvimento desequilibrado entre as economias dos dois blocos, e prejuízos principalmente ao meio ambiente e aos trabalhadores.

Fonte: Revista Fórum

Deixe uma resposta