‘Presidente da Vale ainda poderá receber familiares na cadeia; mas eu nunca mais verei meu filho’

postado em: Sem categoria | 0

O crime do rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, tirou a vida de 272 pessoas. Vinte e uma continuam desaparecidas. Na tarde dessa segunda-feira (16) elas estavam representadas em audiência na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. A reunião serviu para a finalização do relatório da CPI da Câmara dos Deputados que vai pedir a punição da alta cúpula da empresa e do presidente da Vale.

Pais, irmãos, tios levavam as imagens dos mortos no peito, em camisetas, ou cartazes espalhados pelo auditório. Mais de mil pessoas não só de Brumadinho, mas de outras cidades ameaçadas pela mineração, apresentaram suas sugestões para o documento que deve, ainda, questionar a concessão das lavras para exploração da Vale.

“Como fazer para que a Vale sinta no bolso os problemas que ela trás para nosso meio ambiente”, disse o deputado federal Rogerio Correia (PT-MG), relator da CPI. “A concessão de lavras não pode ser permanente, não pode continuar como se nada tivesse acontecido. A nossa CPI federal tem de analisar isso. O que é para Minas Gerais esse modelo de mineração privada?”, questiona o parlamentar, para quem deve haver um plebiscito sobre a privatização da Vale diante do comportamento predatório em relação ao ambiente e à população em torno das barragens.

“O nosso minério foi todo pra fora. Só valeu o lucro”, criticou, lembrando que o estado perdeu muito. “Tudo que foi expressado aqui é sentimento nosso. Nossas CPIs não vão dar em pizza. Vamos continuar a pressão política par que se faça justiça, para que pessoas e empresas sejam punidas.”

Esse foi o principal desejo externado pelos atingidos. Andresa Rodrigues, mãe de Bruno, é hoje vereadora na cidade de Mario Campos, vizinha de Brumadinho, onde vivia com o filho de 26 anos até o dia 25 de janeiro passado, quando rompeu a barragem da Vale no Córrego do Feijão. Andresa nunca mais viu Bruno.

Funcionário da Vale, ele é um dos 21 desaparecidos. “Hoje vivemos de fazer essa travessia descalços e sobre espinhos”, comparou Andresa, ao pedir o indiciamento de todos os responsáveis.

“A CPI da Assembleia Legislativa indicou o indiciamento e a federal também deve indicar”, afirmou. “Esse é o clamor das famílias dos que estão presos embaixo da lama, de quem foi encontrado. Justiça e cadeia para quem assassinou nossas joias vai trazer um pouco de alento. E aviso: ainda estão no lucro, porque receberão as visitas das famílias. Nós nunca mais veremos nossas joias. Eu não verei mais meu filho.”

As lágrimas que corriam dos olhos de Andresa refletiam a dor do senhor Geraldo, que ao microfone só conseguia falar: é dor demais. “Você que é pai e mãe, vê a dor que estou sentindo. Não deixa parar as buscas”, pedia aos deputados. Sua filha, Juliana, ainda está sob a lama. Ela e o marido Dennis morreram após o rompimento da barragem onde trabalhavam e deixaram órfãos os gêmeos Antônio e Geraldo, então com 10 meses de vida.

“A gente vive em função disso. Temos de lutar para que as buscas não parem pra gente poder ser despedir dos nossos familiares”, explicou Josiana, irmã de Juliana. “Temos de lutar porque não queremos que outras pessoas passem por todo esse sofrimento que a gente está passando.  Apelo para que esse relatório seja feito com muito zelo, como se estivesse um familiar de vocês lá.”

Presidente do CPI, o deputado federal Julio Delgado (PSB-MG), garantiu: “Você pode ter certeza de que a gente está muito obstinado nisso”. O parlamentar afirmou que o mandato tem sido dedicado a tentar minimizar o risco de isso ocorrer de novo. “Temos de pegar muito pesado contra quem fez isso com vocês. Temos um prazo para terminar a CPI, mas não vamos terminar nosso trabalho. Vamos formar uma comissão permanente com a participação de vocês para dar acompanhamento a todos os pareces e conclusões dos relatórios.”

Morte chega pelo rio

O crime da Vale se alastra também por toda a extensão do Rio Paraopebas, onde chegaram os rejeitos contaminados da barragem de Brumadinho.

O povo da Colônia Santa Isabel relatou sua angústia. A água dos caminhões pipa e caixas d’água da Vale não são suficientes diante da seca que mata animais e tira o sustento dos sitiantes.

Em São Joaquim de Bicas as pessoas estão morrendo aos poucos, com feridas, depressão, ou vendo a criação se acabar.

Em Jangada e Macacos, a população sofre com a poeira tóxica. Os turistas desapareceram, agravando o desemprego e a miséria que tomou conta da região após a lama contaminar o rio.

Em Cachoeira do Choro, município de Curvelo, há sede. Na comunidade Lago dos Cisnes a sujeira acabou com a pesca, não há mais emprego, e o município de Felizlândia, triste ironia, pode virar uma cidade fantasma.

Joelisa Feitosa, de Juatuba, relata que é grande o sofrimento das pessoas que estão ao longo do Paraopebas e não são reconhecidas como atingidas. “Mortes diárias que não viraram estatística. Gente que passa forme e não recebe indenização, estão em completo abandono. São 180 pescadores que passam diariamente dificuldade, procurando bicos, alternativa para manter sua sobrevida. Ninguém está assistindo essas pessoas. A Vale faz o que quer.”

Assim, os moradores das regiões fora da “mancha” considerada pela mineradora  reivindicam reconhecimento como atingidos, como um todo.

O deputado estadual Andreia de Jesus (Psol), vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos, da Assembleia mineira, ressaltou que as comunidades tradicionais estão sendo atingidas. “Em Brumadinho, as comunidades ficaram ilhadas durante duas semanas e não são reconhecidas como atingidas. Dois jovens ligados ao Congado jamais voltaram para suas casas. Eram terceirizados da Vale. Os festejos nunca mais ocorreram. Entre os danos, além do patrimonial, do material, está o imaterial. A cultura foi interrompida com rompimento da barragem de Brumadinho.”

Decepção com a Justiça

As mortes em Brumadinho ou em Mariana há quase quatro anos podem se repetir. Representantes de outras regiões expostas à extração de minérios no estado de Minas Gerais também participaram da audiência e expuseram suas preocupações.

Warley Ferreira, presidente da associação de moradores do bairro Residencial Gualter Monteiro, em Congonhas, relata o descaso da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e o medo da população diante dos riscos de rompimento da barragem da mina Casa de Pedra. “A barragem tem 100 milhões de metros cúbicos de rejeito e pode atingir mais de 4 mil pessoas. A empresa não conversa com a comunidade, não está nem aí”, afirmou.

A barragem, segundo relatos dos moradores, está em obras. A preocupação aumenta com a temporada de chuvas, em novembro. “Estivemos aqui, em BH, em Brasília. E estamos muito decepcionados com a Justiça brasileira que está defendendo quem é grande, não quem precisa”, disse. “Ninguém preso até hoje. Manda um pobre roubar uma galinha e ele pega trinta anos de cadeia. A Vale matou 300 e nada aconteceu ate agora.”

Emocionada, a deputada estadual Beatriz Cerqueira (PT) agradeceu a participação dos atingidos. “Sinto-me parte dessa dor e desse luto.” E se comprometeu a levar as audiências públicas às localidades atingidas. “É preciso fazer enfrentamento ao poder predatório dessa forma de mineração. Querer que a Vale compreenda o sofrimento, não vai acontecer. A punição precisa ser exemplar, se não vai vir todo mundo pra cá, mineirar e nos matar achando que pode.”

Para André Quintão, responsável pela CPI estadual já  concluída, o principal é deixar claro que foi crime. “A Vale sabia que barragem mostrava instabilidade. Houve um laudo falso. Radares mediram movimentação e mesmo assim detonações continuaram.  Vale tinha em mãos um plano de ação de emergência que era um atestado de óbito coletivo e não tomou nenhuma atitude. Sugerimos indiciamento da alta cúpula, do presidente da Vale. Amanhã entregaremos o relatório. Agora é a outra etapa, o acompanhamento. Vamos ter um comitê permanente.”

Fonte: Brasil Rede Atual

Deixe uma resposta