Mais de mil intelectuais das maiores universidades do mundo protestam contra Bolsonaro

postado em: Educação, Nacional, Política | 0

Mais de mil acadêmicos de universidades de todo o mundo assinaram na última segunda-feira (6) um manifesto contra a política de cortes na Educação, principalmente na área de Filosofia e Sociologia. Na lista estão intelectuais de Harvard, Princeton, Yale, Oxford, Cambridge, Berkeley, e de instituições brasileiras como a Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade de Brasília (UnB), entre outras.

O manifesto foi publicado no jornal francês Le Monde e o abaixo-assinado foi organizado pela Gender International, uma rede de pesquisadores de estudos de gênero e sexualidade. O documento reforça que “as ciências sociais e as humanidades não são um luxo” e defende que “nas nossas sociedades democráticas, os políticos não devem decidir o que é a boa ou a má ciência”.

Entre as personalidade que assinam o documento, estão a filósofa e escritora americana Judith Butler, doutora em Yale e professora da Universidade Berkeley (California), os sociólogos Éric Fassin, professor de Ciências Políticas da Universidade Paris 8, e David Paternotte, da Universidade de Bruxelas.

“Pensar sobre o mundo e compreender nossas sociedades não deve ser privilégio dos mais ricos. Como acadêmicos dos mais diversos campos, estamos plenamente convencidos de que nossas sociedades, incluindo o Brasil, precisam de mais, e não menos educação”, frisa o documento, que destaca ainda que “a avaliação do conhecimento e de sua utilidade não pode ser conduzida de modo a conformar- se com as ideologias de quem está no poder”.

O ex-ministro da Educação Fernando Haddad (PT) comentou o manifesto em sua página nas redes sociais. “A inteligência do mundo unida contra a aberração”, afirmou Haddad.

Fonte: Brasil 247

Deixe uma resposta