Glenn e o papel da Globo na Lava Jato: ‘Vamos reportar muito sobre isso’

“O Jornal Nacional recebia, e vamos reportar muito sobre isso logo, vazamentos da Lava Jato dizendo que tal político foi acusado em uma delação (…) A Globo lucrou muito sem fazer jornalismo. O papel do jornalismo era de parceria com a Lava Jato e Sergio Moro”, disse o jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, em conversa com o apresentador Juca Kfouri, no programa Entre Vistas, da TVT.

Glenn destacou o papel da imprensa comercial na construção do mito da Lava Jato como instrumento exclusivo de combate à corrupção e de Moro como herói. Antes responsável pelos julgamentos dos processos da força-tarefa na Justiça federal de Curitiba, Moro acabou ao lado do presidente de extrema-direita, Jair Bolsonaro (PSL), como ministro. Foram eles os maiores beneficiários do projeto político da Lava Jato.

Além do interesse ideológico de setores do mercado que controlam grande parte da imprensa em cooperar com a Lava Jato, esteve presente o interesse comercial. “A grande mídia estava aliada com Moro nos últimos cinco anos. Não só pela ideologia, mas também porque o modelo de lucro da mídia brasileira era de receber vazamentos sem gastar nada, sem fazer investigação”, explicou. E ampliar a audiência com os “espetáculos“.

• Para impor projeto político, Operação Lava Jato deixa enorme rastro de destruição na economia

Imprensa dócil

Para o conluio formado entre procuradores da Lava Jato e Moro, a mídia atuou como pivô, a fim de implementar o projeto político almejado. Como revelado pela Vaza Jato hoje (29), membros do esquema, em diálogo vazado, apontavam o “controle da mídia de perto“, citando veículos como o Estadão – grande canal de distribuição de vazamentos seletivos ao longo dos últimos anos.

Também hoje, foi revelado pelo The Intercept Brasil, de Glenn, em parceria com a Folha de S.Paulo, que a Lava Jato protegeu o SBT, do Grupo Silvio Santos. A empresa foi citada em delação do operador financeiro Adir Assad, que afirmou ter lavado milhões de reais para o grupo, por meio de patrocínios esportivos. Isso não foi alvo da Lava Jato.

Mera coincidência, Silvio Santos é um bolsonarista desde o princípio. O dono do Baú nunca hesitou em falar abertamente, em horário nobre, sobre seu apoio ao presidente de extrema-direita e ao ministro Moro. O apresentador Ratinho já levou Moro para “entrevista” em seu programa de auditório. E também teria recebido uma pequena fortuna para fazer propaganda da “reforma”da Previdência, mesmo sendo um ricaço que nunca vai precisar de uma aposentadoria.

Agora, de acordo com o advogado carioca Eduardo Goldenberg, que vem antecipando matérias do The Intercept, a Globo deve ser alvo da Vaza Jato. “Hoje a #VazaJato mostra que a Operação Lava Jato não existe sem uma imprensa dócil, instrumento fundamental para seus discutíveis e condenáveis métodos. Hoje apareceu um diálogo com o Estadão. Imaginem o que não há com a Rede Globo! Se eu pudesse lhes adiantar tudo que eu sei…”, disse via Twitter.


Assista à íntegra da entrevista de Glenn Greenwald

Fonte: RBA

Deixe uma resposta