ENTREGUISMO E DESCASO: MARCAS TUCANAS ( Por Álvaro Barcellos)

postado em: Cidade, Cultura, Local, Trabalho | 0

Por mais que se entenda a necessidade de analisar gestões e seus passos visando a fazer balanços críticos – localizando aqui e ali pontos positivos e negativos – é impressionante a marca dos últimos gestores tucanos na Prefeitura de Pelotas.

Paula, que era vice de Eduardo, vem hoje acenando com várias medidas antipopulares – como a taxação de iluminação pública, quando sofreu contundente derrota na Câmara, obrigando-se a recuar.

O tratamento conferido a servidores e professores municipais geram inúmeras preocupações: ataques a conquistas históricas, como parcelamento e até diminuição de salários – o dela e equipe, claro, estão garantidos…

O ex-prefeito e hoje governador Eduardo Leite curiosamente e em atitude claramente oportunista e irresponsável, apoiou o capitão, adorador confesso de Hitler e de torturas, e que já havia declarado seu apoio a Sartori, de triste lembrança.

Só ter seu nome vinculado ao nazista já soaria inadmissível. Mas no rastro de sua trajetória, um pacote de medidas antipopulares. E mesmo depois de dizer publicamente não haver razão para parcelamento, agora (apesar de ser filho de professores) ameaça novo parcelamento!!(??????).

Como parte da prática habitual de sua sigla, Eduardo opta pelo entreguismo e privatizações, acenando com a venda de ações do Banco dos gaúchos, o Banrisul, a investidores… fazendo escoar pelo ralo o patrimônio de nosso povo.

Por aqui, já durante a campanha, a propaganda de Paula exibia uma cidade “dourada”, totalmente afastada da cidade real que habitamos. Em bairros e vilas, persistem problemas estruturais como o esgoto a céu aberto.

A cidade anda às escuras: dia desses uma denúncia mostrava 7 postes consecutivos apagados…breu total. E telefonar para buscar religação é tarefa inglória e inútil na maior parte dos casos.

Mesmo em inúmeras áreas centrais, há enormes buracos quase colados um ao outro – colocando em risco a própria vida de motociclistas por exemplo. Sem contar os descasos como na cultura (ai saudoso Sete de Abril) e na saúde. A questão dos exames por amostragem dispensa maiores comentários. Cada pessoa naturalmente tem sua própria realidade, seu organismo, seus problemas e dramas.

Os tantos remendos nas ruas, às tantas obras com seus transtornos de meses, mal planejadas, que colocam as casas mais rebaixadas, a mercê da ação das águas que se acumulam e invadem residências. Inclusive centrais. 

Com quadros como esses, na cidade e no estado, fica muito difícil. E depois é como já disse um jornalista: se o monopólio estatal parece ruim, o monopólio privado é insuportável.

Entretanto, o PSDB vem fazendo uma clara opção e entre oprimido e opressor, opta pelo opressor. Ou não??

Fonte: Álvaro Barcellos ( Poeta e Compositor, Apresentador do Programa Olhares na RádioCom).

Deixe uma resposta