Assembleia Geral do Sinasefe-IFSul aprova paralisação no dia 30 de maio e adesão à Greve Geral de 14 de junho

postado em: Educação, Greve, Nacional, Política, Trabalho | 0

A Assembleia Geral do Sinasefe-IFSul, realizada na última segunda-feira, 27, na reitoria, aprovou por unanimidade a adesão da categoria ao Dia Nacional de Luta em Defesa da Educação, em 30 de maio, e à Greve Geral de 14 de junho, convocada pelas centrais sindicais. Nas duas datas, haverá paralisação das atividades no instituto e adesão às atividades de mobilização nas cidades em que o IFSul está presente. 

O 30 de maio foi convocado inicialmente pelo movimento estudantil e incorporado ao calendário de mobilizações das Entidades da Educação, após reunião realizada no dia 17 de maio, em Brasília-DF. Assim, SINASEFE, Andes-SN, ANPG, CNTE, Fasubra, Fenet, Ubes e Une já convocam agora a data. Para o Sindicato Nacional, a mobilização do dia 30 será um importante momento para a construção da Greve Geral de 14 de junho.

O servidor Nilo Campos destacou a importância do dia 30 de maio para mostrar ao governo que a mobilização popular não permitirá a entrega da educação. Já a coordenadora do Sinasefe-IFSul, Marlise Sozio, defendeu a importância das mobilizações de rua não apenas como forma de protesto, mas como meio de dialogar com a população e mostrar a importância do trabalho desenvolvido no Instituto.

Em diversas falas, os servidores destacaram a importância de defender a educação pública, gratuita e de qualidade ofertada pelo instituto e, caso os cortes não sejam revertidos, que a instituição não aceite sacrificar a qualidade do ensino para manter as portas abertas. Adaptar o Instituto para funcionar em condições cada vez mais precárias é compactuar com os cortes e abrir mão do modelo de educação que o IFSul defende.
 

Sem manifestações contrárias, a categoria aprovou por unanimidade a adesão ao Dia Nacional de Luta em Defesa da Educação. Além da paralisação das atividades em todo o IFSul, os servidores deverão somar-se aos movimentos de rua que serão realizados em todo o estado. Em Pelotas, um ato público está previsto para às 15h, no Largo do Mercado Público. Após o ato, os manifestantes devem sair em marcha pelo centro da cidade. 

O 30 de maio foi convocado inicialmente pelo movimento estudantil e incorporado ao calendário de mobilizações das Entidades da Educação, após reunião realizada no dia 17 de maio, em Brasília-DF. Assim, SINASEFE, Andes-SN, ANPG, CNTE, Fasubra, Fenet, Ubes e Une já convocam agora a data. Para o Sindicato Nacional, a mobilização do dia 30 será um importante momento para a construção da Greve Geral de 14 de junho.

O servidor Nilo Campos destacou a importância do dia 30 de maio para mostrar ao governo que a mobilização popular não permitirá a entrega da educação. Já a coordenadora do Sinasefe-IFSul, Marlise Sozio, defendeu a importância das mobilizações de rua não apenas como forma de protesto, mas como meio de dialogar com a população e mostrar a importância do trabalho desenvolvido no Instituto.

Em diversas falas, os servidores destacaram a importância de defender a educação pública, gratuita e de qualidade ofertada pelo instituto e, caso os cortes não sejam revertidos, que a instituição não aceite sacrificar a qualidade do ensino para manter as portas abertas. Adaptar o Instituto para funcionar em condições cada vez mais precárias é compactuar com os cortes e abrir mão do modelo de educação que o IFSul defende.
 

Sem manifestações contrárias, a categoria aprovou por unanimidade a adesão ao Dia Nacional de Luta em Defesa da Educação. Além da paralisação das atividades em todo o IFSul, os servidores deverão somar-se aos movimentos de rua que serão realizados em todo o estado. Em Pelotas, um ato público está previsto para às 15h, no Largo do Mercado Público. Após o ato, os manifestantes devem sair em marcha pelo centro da cidade. 

manifestações contrárias, a categoria aprovou por unanimidade a adesão ao Dia Nacional de Luta em Defesa da Educação. Além da paralisação das atividades em todo o IFSul, os servidores deverão somar-se aos movimentos de rua que serão realizados em todo o estado. Em Pelotas, um ato público está previsto para às 15h, no Largo do Mercado Público. Após o ato, os manifestantes devem sair em marcha pelo centro da cidade. 

Greve Geral:
Convocada pelas centrais sindicais durante as manifestações de 1º de maio, a Greve Geral de 14 de junho teve como mote inicial a defesa do direito de aposentadoria e o repúdio à proposta de reforma apresentada pelo governo Bolsonaro. No entanto, diante dos cortes e da sequência de ataques à educação promovidos pelo governo nos últimos dias, o movimento deverá incorporar estas pautas que têm mobilizado estudantes e trabalhadores em todo o país. 

Durante a Assembleia, os filiados do Sinasefe-IFSul destacaram a importância de ampliar o debate sobre a reforma da previdência e trazer os trabalhadores para a luta. Até o momento, o debate tem sido extremamente desigual, com um governo que investe milhões em publicidade e vende a falácia de que acabar com a aposentadoria dos trabalhadores é a saída para o país. Em contrapartida, existem inúmeros estudos e relatórios apresentados por comissões parlamentares que demonstram exatamente o contrário.

Francisco Brongar lembrou que, um dos principais custos do sistema previdenciário brasileiro corresponde a aposentadorias e pensões militares. No entanto, estes contribuem apenas para as pensões de esposas e filhas, não para a própria previdência. Já o servidor público, em contrapartida, contribui para a previdência, teve a sua aposentadoria drasticamente modificada pelas últimas reformas que o país passou e ainda é perseguido e demonizado pelo governo federal. 

Durante o debate, os servidores destacaram que assim como a reforma da previdência é apontada agora como salvação nacional, a PEC 55/2016, que congelou os investimentos públicos por 20 anos, e a reforma trabalhista também foram. No entanto, ambas medidas resultaram apenas no agravamento da crise  nacional, aumentando o desemprego e degradando as condições de trabalho. Os cortes orçamentários, que o governo impõe neste momento, são reflexo do teto de gastos e de uma política chantagista, que visa forçar a aprovação da reforma da previdência.

Após um amplo debate, a Assembleia Geral aprovou, também por unanimidade, a adesão do IFSul à Greve Geral de 14 de junho. Além da paralisação das atividades, o Sinasefe-IFSul irá propor a realização de atividades de formação, com o objetivo de ampliar e qualificar o debate sobre a questão previdenciária e a proposta apresentada pelo governo. A base do Sinasefe também deverá aderir aos atos que estão previstos para ocorrer em todo o país.  

Informes:
O coordenador de organização do Sinasefe-IFSul, Francisco Brongar, informou que, nesta semana, o Sindicato estará novamente reunido com representantes da Unimed para dar continuidade ao processo de negociação dos contratos para 2019. De acordo com a operadora, existe a possibilidade de um acordo para a formação de um bloco entre as entidades sindicais de Pelotas, com o objetivo de construir negociações coletivas nos próximos anos.

A mesa destacou a pauta da próxima reunião do Conselho Universitário da Universidade Federal de Pelotas, que irá debater os cortes no orçamento da MEC e suas consequências para a UFPel. Neste sentido, foi sugerido que o Conselho Superior do IFSul paute também esta questão em sua próxima reunião, com objetivo de construir um posicionamento sobre os cortes que respalde os alertas emitidos por diversas direções de campus e pela própria reitoria sobre os impactos dos cortes no Instituto. 

159ª Plena:

A 159ª PLENA do SINASEFE Nacional será realizada nos dias 1º e 2 de junho, em Brasília-DF. A plenária terá como foco a avaliação das mobilizações de 30 de maio e a organização da Greve Geral de 14 de junho. O Sinasefe-IFSul terá como delegada da direção Maria de Fátima Medeiros, Coordenadora de Organização do Sindicato. Representando a base, o servidor Marco Antônio Collares irá como delegado e José Ricardo Nogueira como observador.

Constituição da COE:

Na assembleia geral foram escolhidos os três servidores que irão compor a Comissão Eleitoral 2019 do Sinasefe-IFSul. Conforme regimento, o mandato da atual direção chega ao fim em setembro deste ano. Assim, a comissão aprovada pela AG e formada pelos servidores Danielle Lisboa da Silva, Renato Emilio Da Silveira Taddei e Geraldo Souza Moraes será responsável por organizar a eleição que irá escolher a nova diretoria do Sindicato.

Fonte: Assessoria de Impresa do Sinasefe – IFSUL

Deixe uma resposta