Pelotas terá dia de luta contra a reforma da Previdência

Por Mariana Hallal


Amanhã (15) ocorrerá, em todo o Brasil, uma série de eventos em defesa da Previdência Social e contra os ataques do governo Temer. Na cidade de Pelotas, a programação começa às 9h com uma tenda de panfletagens montada no chafariz do calçadão (esquina democrática). A atividade deverá se estender até as 16h. Logo mais, às 17h, está marcado um Ato Unificado, que tem concentração no Mercado Público. A RádioCom irá transmitir o evento ao vivo, das 9h às 12h, diretamente do calçadão da cidade.

Diversas categorias já confirmaram que vão fazer greve no dia, em apoio ao movimento. As Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Pelotas devem amanhecer fechadas nesta quarta-feira; já os servidores municipais que trabalham na área da educação deverão parar por três dias. A greve dos professores estaduais também está marcada para começar na quarta-feira, conforme decidido em assembleia realizada no dia 8 de março.

Reforma da Previdência Social é um ataque aos direitos dos trabalhadores. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Reforma da Previdência

A PEC 287/2016, popularmente conhecida como Reforma da Previdência, foi proposta pelo presidente Michel Temer e é defendida pelos seus aliados – cujos nomes aparecem, frequentemente, nas delações oriundas da operação Lava-Jato. Motivadora de protestos pelo Brasil inteiro, tem um texto polêmico que, na prática, ataca os direitos já conquistados pelos trabalhadores. Seu principal objetivo é aumentar o tempo de contribuição do trabalhador à previdência, dificultando a aposentadoria. Ela ignora, por exemplo, as particularidades de cada profissão e a diferentes expectativas de vida de um país tão grande como o nosso. Veja alguns pontos:

  • Idade mínima para aposentadoria será de 65 anos para homens e mulheres
    Atualmente, a idade mínima para aposentadoria é diferente para homens e mulheres. Uma pesquisa divulgada recentemente revelou que a mulher trabalha, em média, 7,5 horas a mais que os homens. Isso ocorre, principalmente, em virtude do trabalho doméstico (que deveria ser de ambos, mas acaba sendo da mulher) e da dupla jornada a qual inúmeras mulheres se submetem a fim de sustentar sua casa. Mesmo com esses dados comprovados, o governo ignora o fato e quer que as mulheres trabalhem mais ainda para pagar o suposto rombo na previdência.
  • Fim da aposentadoria especial para trabalhador rural
    O regime de aposentadoria para os trabalhadores rurais é, atualmente, diferente dos demais. Isso porque as horas semanais de trabalho no campo são, na maioria dos casos, superiores às da cidade. O trabalhador rural também começa sua carreira mais cedo: 78% dos homens que laboram no campo começaram antes dos 14 anos de idade. A expectativa de vida da referida população é menor se comparada à expectativa de vida do trabalhador urbano.
  • Aposentadoria integral
    Só será possível se aposentar com o salário integral quem contribuiu para a previdência por 49 anos. Ou seja, se você começou a trabalhar com carteira assinada aos 22 anos, deverá trabalhar ininterruptamente até os 71 anos para manter o salário que recebeu durante a vida inteira.
  • Tempo mínimo
    Para se aposentar no regime atual, o trabalhador precisa ter, no mínimo, 15 anos de carteira assinada. Se a PEC for aprovada, esse tempo passará para 25 anos.

Comentários estão fechados.