o importante é que a nossa emoção sobreviva (por enilton grill)


não creio que haja saída para nós. o congresso brasileiro é composto, em sua maioria, por canalhas e cafajestes. o judiciário que aí está é um judiciário, ao que tudo indica, vendido. a grande imprensa, leia-se rede globo, é o que sempre foi: uma amante da ditadura. o povo brasileiro é um povo, em sua grande maioria, alheio ao que se passa, isto é, está sendo levado para o matadouro e acha graça. assim sendo, a saída teria que se dar através de nós. mas não creio que se dê. por quê? porque se fosse pra se dar já teria se dado. e não se deu, na minha opinião, porque nos perdemos numa briga infantil entre o psol e o pt. outra coisa: não creio que bolsonaro sofra de de algum tipo de transtorno mental. acho que bolsonaro não passa de um dissimulado. de um recalcado. de um deslumbrado. bolsonaro faz o que faz e diz o que diz, porque está bem calçado. bolsonaro, na minha opinião, não passa de um pau-mandado dos estados unidos da américa. só isso, nada mais que isso. e isso me deixa revoltado e enojado. mas não estou jogando a toalha. tem coisas que ainda são capazes de me emocionar: «é provável que o tempo faça a ilusão recuar/ pois tudo é instável e irregular/ e de repente o furor volta/ o interior todo se revolta/ e faz nossa força se agigantar». mas hoje, agora, neste momento se me perguntarem o que eu acho, eu acho que vamos penar por muito tempo nas mãos desse infeliz. tomara esteja enganado, mas acho que não estou.

tudo o que mais nos uniu separoutudo o que tudo exigiu renegouda mesma forma que quis recusou
o mesmo alento que nos conduziu debandoutudo o que tudo assumiu desandoutudo que se construiu desabou
https://www.youtube.com/watch?v=281kmlaJV9M  

mordaça | eduardo gudin / paulo césar pinheiro, 1975

Fonte: Eniton Grill é Colunista do Site da RádioCom

Deixe uma resposta