O FIM DA APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO (Por Lair de Mattos)

Entre as inúmeras alterações que a proposta de reforma da previdência prevê, uma das mais impactantes é o fim da aposentadoria por tempo de contribuição. Pelo que observo, as pessoas, em sua maioria, não se deram de conta das consequências desta alteração. Há uma confusão com a aposentadoria por idade, modalidade hoje existente. Aprovada a reforma, todos irão se aposentar por idade. Os homens com 65 anos e as mulheres com 62. Desde que tenham pelo menos vinte nos de contribuição.Um homem, hoje com 50 anos de idade e 30 de carteira assinada, estava contando certo que daqui a cinco nos estaria aposentado. Ruíram seus planos. Agora faltam quinze anos para se aposentar.

Ou mais, pois a idade mínima para aposentadoria irá aumentar conforme aumentar a expectativa de vida da população. Mas ele ainda não sabe.Essa é a nossa grande tarefa. Explicar com clareza para as pessoas como a reforma da previdência irá afetá-las. Ninguém está imune. Nem mesmo os que já se aposentaram.

O desfinanciamento da previdência poderá, no futuro, provocar a redução dos valores das aposentadorias já concedidas. Haverá um desestímulo à contribuição previdenciária, pela descrença da possibilidade de aposentar-se devido à dureza das regras; por que tanto faz ter 35 anos de contribuição ou vinte, pois em ambos os casos, sem atingir os 65 anos de idade, nada feito; por que com a carteira verde amarela, outra proposta maligna do Bolsonaro, não haverá contribuição; pelo desemprego, que só aumenta; pela redução dos salários provocada pela crise.

Destrinchar a reforma e explicá-la didaticamente talvez seja a melhor forma de provocar  a indignação necessária para a realização de grandes manifestações públicas, somente com as quais será possível barrar esta reforma, que, se aprovada, levaria a classe trabalhadora brasileira à níveis de miséria e sofrimento jamais vistos.

Fonte: Lair de Mattos (Presidente do Sindicato da Alimentação de Pelotas e Região – Coordenador da RádioCom)

Veja abaixo vídeo gravado pelo Jornalista e assessor do Sindicato dos Bancários de Pelotas, Eduardo Menezes. Acompanhe, no vídeo, a análise do advogado José Ricardo Costa sobre a reforma da previdência.

O advogado do Sindicato dos Bancarios de Pelotas e professor da FURG, José Ricardo Costa, explica a regra de transição que está inclusa na reforma da previdência proposta pelo governo Bolsonaro.

Deixe uma resposta