NUM PAÍS DE CAPITÃES DO MATO (Por Álvaro Barcellos)


Quando o Brasil vivia a ESCRAVIDÃO – que recaía sobre o povo negro arrancado de solo africano – e, portanto, antes da lei Áurea de 1988… tempo em que o terrível regime Escravocrata era legal (ou seja, reconhecido por legislação), havia a figura patética do CAPITÃO DO MATO.

O Capitão do mato era um feitor, um capataz do Senhor de Escravos, que entre outras tarefas, cumpria a Caça aos Negros “fujões” – aqueles que buscavam escapar da Escravidão, partindo desesperados para algum refúgio de alguma Paz e Liberdade (como nos Quilombos), uma vez que nas fazendas eram frequentemente castigados, espancados, amarrados em troncos para tomar chicotadas nas costas, viam suas mulheres ser violentadas, entre outras humilhações e atrocidades…o Capitão do mato era um pobre coitado, puxa-saco do Senhor de Escravos, e que muitas vezes vivia em condição quase tão perversa quanto a dos próprios Escravos a quem perseguia.

Alguns relatos demonstram que em várias fazendas o Capitão do mato era escolhido e destacado dentre os próprios Escravos: um suposto “protegido” do Senhor…um homem de confiança do Escravocrata, um Negro “de alma branca”, como ironizavam os Senhores… pretendendo que tais palavras soassem como uma espécie de “elogio”.
Como quer que fosse, o Capitão do Mato, que JAMAIS enxergou de verdade sua própria e real condição, era mesmo um TRAIDOR…um TRAÍRA, um sujeitinho totalmente desprezível…

Essa situação – de dificuldade de enxergar sua condição – de TRABALHADOR EXPLORADO e OPRIMIDO pela força do CAPITAL – vem de longe…Assim, transpondo para o cenário político contemporâneo, algumas coisas poderiam ser explicadas.
Se o POVO TRABALHADOR se assume como tal, esse mesmo povo vai entender a necessidade (mesmo quando não se seja muito de participar) de existirem ASSOCIAÇÕES e SINDICATOS onde os trabalhadores possam reunir-se e debater melhor suas condições de vida – questões como Saúde, Cultura etc…

Além de tudo, quem se organiza minimamente, passa a RECONHECER melhor sua condição de Trabalhador e seu papel na ENGRENAGEM social, econômica e política… embora isso seja TUDO que o CAPITALISMO não queira…o Sistema alimenta a – e se alimenta da – IGNORÂNCIA: quanto mais ignorância, mais PRECONCEITO, mais INTOLERÂNCIA, mais ALIENAÇÃO. Quanto mais ignorante for um povo, mais MANIPULÁVEL será…Hoje a Direita ARRANCA Direitos e Conquistas Históricos dos Trabalhadores, ateia FOGO nas Florestas e dissemina Atrocidades…e muita gente desconversa…

Mas se o POVO TRABALHADOR consegue reconhecer sua condição na luta de Classes (motor da História), esse mesmo POVO TRABALHADOR irá posicionar-se e organizar-se em torno da ESQUERDA – Partidos, Frentes e Organizações, vinculada historicamente aos Interesses dos Trabalhadores – desconsiderando a Direita, vinculada aos interesses do Poder Econômico (burguesia, CAPITAL)…

Penso que vai demorar, mas na medida em que avançarmos na FUNDAMENTAL retomada do senso de HUMANIDADE, profundamente violado pelo Capitalismo Contemporâneo, e passarmos a enxergar nosso papel TRANSFORMADOR na Sociedade, aí sim, poderemos SEMEAR um outro MUNDO bem mais JUSTO, BONITO, GENEROSO…
Por enquanto, resta-nos espantar os tantos Capitães do Mato…para com nossa Nova Consciência e LUTA, edificarmos a PAZ e os SONHOS de plena EMANCIPAÇÃO da Humanidade!!

Fonte: Álvaro Barcellos é colunista do Site RádioCom

Deixe uma resposta