Kátia Abreu e transgênicos viram alvo de protesto de camponeses no RS

postado em: Sem categoria | 0

Fonte : Mídia Ninja

Na manhã do último sábado (22), cerca de 2 mil jovens ocuparam a Fazenda Pompilho, com 2 mil hacteres de cultivo de milho transgênico à beira da BR 158, que liga a cidade de Palmeira das Missões à região oeste de Santa Catarina.

O objetivo da ocupação, segundo os participantes, foi denunciar “o modelo do agronegócio, defendido amplamente pela bancada ruralista, e que tem a Senadora Kátia Abreu (presidente da Confederação Nacional da Agricultura) como referência política”.
A Senadora do PMDB acaba de ser convidada pela presidenta Dilma Rousseff para assumir o comando do Ministério da Agricultura. Apesar da nomeação já ser aguardada há algumas semanas, como parte das negociações para assegurar o espaço do partido no novo governo, diversos setores da sociedade se dizem abismados com a possibilidade de um governo do PT abrigá-la num ministério de Estado.

O jornalista Leandro Fortes, por exemplo, disse não ver “racional e emocionalmente, uma justificativa minimamente plausível para ofender os milhões de trabalhadores do campo que, desde sempre, foram perseguidos, usurpados e trucidados por pessoas como a Senadora. Simplesmente, é inacreditável que isso esteja acontecendo”.

Para os movimentos da Via Campesina (articulação que agrega diversos movimentos do campo) o agronegócio envenena a terra e contamina a produção dos alimentos e a água da população brasileira. O veneno está na mesa do brasileiro. O consumo de alimentos transgênicos causam inúmeras doenças como o câncer, depressão, doenças de pele, contaminação do leite materno, e etc. Além disso o agronegócio é um dos grandes responsáveis por retirar violentamente camponeses, indígenas e povos originários do meio rural para garantir seu plantio em larga escala para a exportação.

“Empresas estrangeiras passaram a controlar o território brasileiro se associando com os latifúndios improdutivos, que se apropriam de terras que deveriam ser destinadas à Reforma Agrária. Não produzem alimentos para o povo brasileiro, deterioram o ambiente com o uso da monocultura, como de soja, eucalipto, cana-de-açúcar, milho e pecuária intensiva” relata Raul Amorim do MST.O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo desde 2009. Mais de um bilhão de litros de venenos foram jogados nas lavouras, de acordo com dados oficiais. Por isso a ocupação da Fazenda Pompilho tem caráter de denuncia, mas também de propor um novo modelo de agricultura.

Propomos uma agricultura que tenha como base a agroecologia, a produção de alimentos saudáveis, onde a natureza e os seres humanos sejam respeitados e valorizados.” explica Catiane Cinelli, da direção nacional do Movimento de Mulheres Camponesas.

O ato começou às 4h da manhã com uma batucada de despertar dos participantes do 14º Acampamento Latino-Americano da Juventude da CLOC-Via Campesina para a caminhada em direção à rodovia. Reunindo ativistas de 18 países, o encontro aconteceu todas as vezes na Argentina, tendo sua primeira edição realizada no Brasil esse ano.

OcupacaoKatiaAbreu_MidiaNinja

Comentários estão fechados.