Discussão sobre Greve docente é pautada em reunião nacional do ANDES-SN

Docentes de todo o país começam a avaliar a possibilidade de uma greve da categoria. Até o dia 22 de agosto, haverá uma rodada de assembleias para debater o assunto. A decisão ocorreu após a reunião do Setor das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) do ANDES-SN, com representantes das seções sindicais de todo o país e após o 64º Conad, quando também se encaminhou a necessidade de discutir a greve.

A reunião do Setor das IFES foi precedida de um encontro dos setores federais, estaduais e municipais, que ocorreu no dia 27 de julho. Em ambos encontros, os/as docentes debateram os inúmeros ataques à educação promovidos pelo governo Bolsonaro. No caso da drástica redução orçamentária, a situação já ocasionou corte de energia elétrica, como na UFMT. A nomeação de reitores não eleitos também foi lembrada como uma grave interrupção da escolha democrática das administrações das instituições. Além disso, os docentes ressaltaram que o projeto “Future-se”, apresentado pelo governo federal em 17 de julho, é um programa que pretende retirar de vez os investimentos públicos das universidades, concedendo-as ao mercado financeiro.

Participação da ADUFPel

A ADUFPel-SSind esteve representada na reunião pela presidenta e vice-presidenta da Seção Sindical, Celeste Pereira e Ângela Vitória. Celeste explica que houve um amplo debate sobre a necessidade da organização e da mobilização da categoria. “Nós estamos em um momento histórico muito difícil, com inúmeros ataques. Um deles, de abrangência para todos os trabalhadores, é a Reforma da Previdência. O outro, que também tem impacto na sociedade mas que atinge diretamente o setor das federais, é a intervenção sobre as universidades com base no projeto Future-se. Esse projeto destrói toda perspectiva pública que temos atualmente”, pontua. 

A presidenta da ADUFPel também lembra que o “Future-se” implica na perda da autonomia universitária, que atualmente é prevista na Constituição. A partir deste e de outros debates, foi discutida a necessidade de debater nas bases o acirramento da mobilização. 

Rodadas de assembleias

Em vista dos graves ataques à educação pública e o aprofundamento da privatização das universidades através do programa “Future-se”, as seções sindicais definiram por debater nas bases de cada IFE a mobilização da categoria incluindo a possibilidade de construção uma greve docente.

As rodadas de assembleias, nacionalmente, além de convocarem a base docente para discutir a greve, também serão chamadas para deliberar acerca da paralisação no dia 13 de agosto, convocada como uma nova Greve Nacional da Educação. Na UFPel, em assembleia da comunidade acadêmica, os segmentos da Universidade já deliberaram pela adesão à mobilização na data. 

A ADUFPel chamará a assembleia logo após o início do segundo semestre letivo, previsto para ter início no dia 12 de agosto. O edital será divulgado em breve.

Fonte: Assessoria ADUFPel ( Liana Cool)

Foto: Cristiano Engelke

Deixe uma resposta