ARMAS E VIOLÊNCIA (Por Álvaro Barcellos)

postado em: Colunistas, Cultura, Direitos Humanos | 0


Para tratar de temas tão caros, pesados e tristes como o da violência (quer urbana, quer no campo, quer contra crianças, mulheres, populações vulneráveis, indígenas, negros, pobres…) é preciso conhecer as realidades.
Pois bem: nos Estados Unidos, exemplo tão comumente citado, há várias questões – legalização do uso de determinadas drogas, pena de morte, uso/porte de armas de fogo etc. – em que os diferentes estados tem autonomia para regulá-las.

Mas vale lembrar: nos lugares em que há PENA DE MORTE, nunca se deu diminuição da violência – na real, a certeza da impunidade é que se torna problema. E os lugares em que há MAIORES ÍNDICES de violência são justamente aqueles onde o uso/porte de armas de fogo é LEGALIZADO. Inclusive, vários desses estados buscam REVERTER a liberação.

Se isso não diz muita coisa para alguns, para outros, no entanto, que conseguem raciocinar com mais discernimento e sensibilidade social, diz muito sim: quanto mais ARMAS LIBERADAS, MAIOR A VIOLÊNCIA.
Senão, vejamos: um senhor se atravessa distraidamente na frente do carro de A, que para não o atropelar, torce um pouco a direção pro lado oposto, SALVANDO a vida do senhor. Mas o motorista do carro B, que vinha logo atrás, sente-se provocado. Desce do carro ARMADO, e dispara no motorista que evitou o atropelamento…

Senão, vejamos: um senhor se atravessa distraidamente na frente do carro de A, que para não o atropelar, torce um pouco a direção pro lado oposto, SALVANDO a vida do senhor. Mas o motorista do carro B, que vinha logo atrás, sente-se provocado. Desce do carro ARMADO, e dispara no motorista que evitou o atropelamento…

O jovem filho de C vai a uma festa. Um tropeço acidental faz com que vire refrigerante no vestido da namorada de D. Este, sentindo-se provocado, empunha a ARMA e MATA o rapaz que tropeçara.

O menino de 8 anos, dentro de casa, se depara com a arma do pai. E resolve brincar (e hoje em dia fazer ‘arminha’ virou moda; quem a criou, foi chamado de mito…). Consequência: o menino acaba atingindo a irmã de onze anos, que morre imediatamente.

O homem chega bêbado em casa. A mulher questiona onde ele andava. Ficou preocupada. Mais duas perguntas, e o ‘valentão’ a atinge com dois disparos.
Inúmeros são os exemplos – e nem mencionei aqui as tantas balas perdidas. Estes casos, aqui expostos, são todos baseados em FATOS REAIS daqueles canais norteamericanos de investigações policiais.
Ora: VIOLÊNCIA gera VIOLÊNCIA!!! Logo, precisamos trilhar o caminho inverso.

Alguns argumentam que ‘a bandidagem anda armada’. Ok. Mas são bandidos. Com essa ‘saída’ ao que parece, inclusive várias pessoas que se dizem cristãs e TEMENTES A DEUS, todos nos tornaríamos bandidos também…ao menos potencialmente…ou não??
O que se quer é que nossas crianças brinquem livremente com armas de fogo?? Até a morte??

Assim caminha a HUMANIDADE?? Para trás?? Alguns lunáticos, que parecem não enxergar um palmo a sua frente, pensam a questão de modo simplista. Só que o buraco é mais embaixo. Ou trabalhamos na busca da EVOLUÇÃO HUMANA e de alguma HARMONIA e PAZ na sociedade (sem esquecer as profundas contradições do capitalismo) ou entramos no jogo dos fabricantes de ARMAS e nos rendemos à ESTUPIDEZ, voltando ao VELHO OESTE.

Fonte: Álvaro Barcellos ( Colunista RádioCom)

Deixe uma resposta