OTAN não é bloco econômico e deveria ter sido desmantelada, diz pesquisador

postado em: Mídia | 0

As tensões na Ucrânia chegaram a um novo patamar nos últimos dias, com a decisão da Rússia de sair da posição de longa espera por diálogos construtivos sobre uma nova arquitetura de segurança na Europa e anunciar uma operação especial.

operação especial lançada na última quinta-feira (24) pela Rússia a pedido das repúblicas populares de Donetsk (RPD) e Lugansk (RPL) e com o objetivo de neutralizar partes da infraestrutura militar ucraniana tem sido alvo de críticas desde o anúncio feito, ainda na madrugada, pelo presidente russo, Vladimir Putin. Condenações, inclusive, derivadas de muitas vozes que se calaram durante inúmeras ações militares realizadas nos últimos anos pelos Estados Unidos e seus aliados, ao arrepio do direito internacional, que resultaram em milhares de vítimas.O governo russo justifica sua decisão afirmando que ficou sem saída e que essa é uma reação aos avanços da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e a anos de agressões das forças da Ucrânia contra as regiões do leste do país, em Donbass.

“Eu acredito que estamos assistindo agora à segunda etapa da tentativa da OTAN de chegar às fronteiras russas. Em 2014 foi a tentativa do governo [Barack] Obama, e, agora, o governo [Joe] Biden tentou, mais ou menos, fazer a mesma movimentação”, explica o pesquisador Charles Pennaforte, professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e coordenador do Laboratório de Geopolítica, Relações Internacionais e Movimentos Antissistêmicos (LabGRIMA).

Há oito anos, um golpe de Estado apoiado pelos EUA e por países europeus destituiu o então presidente Viktor Yanukovich, eleito em 2010 com grande apoio da população do leste da Ucrânia. Insatisfeitos com a situação, os habitantes da região, muito identificados com a Rússia — e em meio ao processo de reintegração da Crimeia a esta, por decisão da população local —, se recusaram a aceitar a subordinação a um governo ucraniano provisório visto por eles como ilegítimo e manipulado pelo Ocidente.

A resposta de Kiev à insatisfação foi o lançamento de uma grande operação militar com o objetivo de endurecer o controle sobre Donetsk e Lugansk, por ordens do líder interino Aleksandr Turchinov.Nos meses subsequentes, os conflitos se intensificaram, grupos neonazistas que participaram ativamente do golpe foram institucionalizados na Ucrânia, se tornando inclusive partidos políticos reconhecidos, e uma série de sanções foi imposta pelo Ocidente à Rússia, acusada de tentar interferir em assuntos internos do país vizinho.Uma tentativa de resolver a questão de maneira pacífica foi formalizada pelos acordos de Minsk, mas nem o sucessor de Turchinov, o agora ex-presidente Pyotr Poroshenko, nem o atual líder ucraniano garantiram a implementação de todos os seus pontos, mesmo Vladimir Zelensky tendo sido eleito após uma campanha baseada na promessa de acabar com as hostilidades no país.

por Sputnik Brasil


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.