No WhatsApp, Bolsonaro cita ‘contragolpe’ e convoca manifestação para 7 de setembro, diz mídia

postado em: Mídia, Milicias, Saúde, Vacinas, VAZAJATO | 0

No fim de semana, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) encaminhou uma mensagem no aplicativo WhatsApp em que convoca apoiadores para um “provável e necessário contragolpe”. Segundo o jornal Metrópoles, que teve acesso ao texto, Bolsonaro pede que os “direitistas” se manifestem no dia 7 de setembro.

“Hoje, fazer um contragolpe é muito mais difícil e delicado do que naquela época […] temos uma Constituição comunista que tirou em grande parte os poderes do presidente da República e foi por estes motivos que o presidente Bolsonaro, no início de agosto, em vídeo gravado, pediu para que o povo brasileiro fosse mais uma vez às ruas, na Avenida Paulista, no dia 7 de setembro, dar o último aviso, mas, desta vez, ele reforçou que o ‘contingente’ deveria ser absurdamente gigante, ou seja, o tamanho desta manifestação deverá ser o maior já visto na história do país”, lê-se na mensagem, reproduzida pela mídia.

O texto continua: “A ponto de comprovar e apoiar, inclusive internacionalmente, para que dê a ele [Bolsonaro] e às FFAA [Forças Armadas], para que, em caso de um bastante provável e necessário contragolpe que terão que implementar em breve, diante do grave avanço do golpe já em curso há tempos e que agora avança de forma muito mais agressiva, perpetrado pelo Poder Judiciário, esquerda e todo um aparato, inclusive internacional, de interesses escusos”.

Jair Bolsonaro n sessão solene de posse dos senhores ministros Luiz Fux e Rosa Weber nos cargos de presidente e vice-presidente do Supremo Tribunal Federal.

Jair Bolsonaro n sessão solene de posse dos senhores ministros Luiz Fux e Rosa Weber nos cargos de presidente e vice-presidente do Supremo Tribunal Federal.

Segundo a mídia, o presidente enviou a mensagem do número pessoal dele para integrantes do governo e amigos.

Em outro trecho, a mensagem diz que as manifestações de 7 de setembro são importantes para autorizar Bolsonaro e as Forças Armadas a tomarem “as decisões cabíveis” para que o Estado democrático de direito seja reestabelecido, o equilíbrio entre os poderes salvaguardado, a transparência das eleições seja cumprida e o “resgate do STF [Supremo Tribunal Federal], hoje sequestrado por apátridas, ocorra”.

No sábado (14), Bolsonaro afirmou que vai apresentar ao Senado pedidos de impeachment contra Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, ambos ministros do STF.

A expectativa é de que o documento seja entregue esta semana. Barroso também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Fonte: Sputink News

Imagem: Sputink News

Deixe uma resposta