Bradesco lucra R$ 19,5 bi na pandemia, mas demite

Mais um banco anunciou lucratividade exorbitante, apesar da pandemia causada pelo novo coronavírus. O Bradesco lucrou R$ 19,458 bilhões em 2020. Somente no quarto trimestre o lucro líquido recorrente foi de R$ 6,801 bilhões. Crescimento de 35,2% na comparação com o terceiro trimestre, e um avanço de 2,3% sobre o mesmo período de 2019.

Para reforçar que a crise não atinge o setor bancário, a ROAE (rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio) da empresa ficou em 20% entre outubro e dezembro. Alta de 4,8 pontos percentuais ante o trimestre anterior. No quesito receitas com prestação de serviços, o Bradesco registrou aumento de 7,3% ante o terceiro trimestre, atingindo R$ 8,717 bilhões.

Apesar do resultado ser reflexo do trabalho dos bancários e tarifas cobradas aos clientes, o Bradesco não teve dó. Encerrou o ano passado com o fechamento de 1.083 agências físicas. O banco contava com 3.395 unidades espalhadas pelo país em dezembro. O número é 24,2% inferior ao registrado em igual mês do ano anterior. Também desligou 7.754 funcionários e fechou 2020 com um quadro de 89.575 empregados. 

Também teve alta na margem financeira, que chegou a R$ 16,657 bilhões no quarto trimestre. Cresceu 9%, se comparado com o terceiro trimestre, e 8% sobre o mesmo período de 2019. A margem do Bradesco ficou em R$ 63,128 bilhões no ano. Um avanço de 7,4%. Nada a reclamar.

Fonte: Seeb Pelotas

Imagem: Eduardo Menezes – Seeb Pelotas

Deixe uma resposta