Estado mínimo: o neo liberalismo na contramão do bem estar social ( Por Álvaro Barcellos )

 Quando tudo for privado seremos privados de tudo

                               (faixa estampada em Ato Político)     

Se há uma coisa de que o Povo NÃO pode abrir mão no Capitalismo é do ESTADO. Por mais que nos tentem enganar, as Estatais em geral prestam serviços extremamente IMPORTANTES às comunidades. Em várias áreas, com destaque para SAÚDE e EDUCAÇÃO.  

De um modo geral, e irresponsavelmente, a grande Mídia abraça a ideia dos grupos de Direita (ligados ao alto EMPRESARIADO, que financia e controla essa mesma Mídia), ULTRALIBERAL, de tal maneira que, salvo em raras e honrosas exceções, o que se presencia são vários jornalistas que NÃO HONRAM seu Diploma e limitam-se a fazer o jogo triste e sórdido, reforçando uma série de projetos que enfraquecem o Estado, favorecendo Poderosos Conglomerados Econômicos, em prejuízo do Povo Trabalhador.

Ora, quanto “menor” for o Estado, menor sua atuação e presença, o que fragiliza a Sociedade, sobretudo os mais pobres, carentes de Serviços Essenciais ao seu Bem-estar e sua Vida. Afinal, o “Estado Mínimo” faria com que grande parte das estatais passasse às mãos de Grandes Empresários – com sua Ganância e fome vorazes – que fatalmente ignorariam as enormes carências do povo. Tudo o que for PRIVADO será para POUCOS, ENDINHEIRADOS. Porque TUDO será MUITO CARO, o que afasta “naturalmente” imensas parcelas da população.

Caso recente é o do AMAPÁ, que vive uma situação caótica, com mais de DEZ DIAS SEM LUZ. Com terríveis consequências e enorme prejuízo. E NINGUÉM é efetivamente Responsabilizado. Até porque a Empresa de Iluminação já NÃO é Estatal. Foi, portanto, PRIVATIZADA. E NÃO FUNCIONA – ao contrário do discursinho acabado de senso comum, que geralmente coloca as Estatais como burocráticas, pesadas e inoperantes. Ora, embora sempre se possa e se deva permanentemente buscar a melhora e aperfeiçoamento do Serviço Público, bem como corrigir distorções, que sempre precisam ser tratadas, o fato é que ORGANISMOS  do Setor PÚBLICO efetivamente ATENDERÃO às mais variadas DEMANDAS e necessidades populares. Já aquilo que é PRIVATIZADO atenderá SOMENTE a quem puder PAGAR os SERVIÇOS.

O próprio Auxílio Emergencial foi pago na Caixa Federal, uma vez que NENHUM banco PRIVADO iria querer todo aquele POVO (pobre em sua imensa maioria) dentro de suas agências: A CAIXA que pague!…diziam os banqueiros. Já Bolsonaro, financiado inclusive pelos próprios banqueiros, cumpria suas vontades…

Poucas vezes, portanto, uma faixa em Ato Público foi tão clara e expressiva. Realmente, Quando TUDO for PRIVADO, seremos PRIVADOS de TUDO. Simples assim.   

Fonte: Álvaro Barcellos ë colunista da RádioCom

Imagem: Internet

Deixe uma resposta