O namoro da Inglaterra com a ditadura militar do Brasil (Por John McEvoy e Daniel Hunt, do Brasil Wire)

Reportagem do site Brasil Wire revela o apoio britânico à ditadura militar brasileira. Através de documentos tirados de sigilo recentemente, a matéria mostra como o serviço secreto da Inglaterra agiu para neutralizar a mídia de esquerda da época e forneceu treinamento em tortura para a polícia brasileira.

Documentos recentemente revelados mostram o apoio entusiástico da Grã-Bretanha à ditadura do Brasil de 1964-1985. Racistas e de tom colonial, os arquivos expõem uma unidade secreta de propaganda se infiltrando na mídia da oposição e mais evidências de treinamento secreto em tortura.

O ‘cultivo assíduo’ de Samuel Wainer

Em um arquivo de 1969 intitulado ‘Departamento de Pesquisa da Informação: operações no Brasil’, revelados apenas em dezembro de 2019, o funcionário do Ministério das Relações Exteriores, ER Allott discute o papel da Grã-Bretanha em manter as forças armadas brasileiras ‘informadas sobre as políticas e métodos comunistas, com o objetivo de fazer sua oposição ao comunismo racional e bem informado’. Embora a ameaça comunista imaginada tenha diminuído com o golpe militar de 1964, os estrategistas britânicos continuaram preocupados, em termos caracteristicamente racistas, de que as ‘massas brasileiras… são capazes de serem trabalhadas com muita facilidade por um demagogo habilidoso e, descendentes de escravos, elas têm um gosto compreensível pela autoridade paterna’.

Da embaixada no Rio de Janeiro, as autoridades britânicas criaram uma ofensiva de propaganda para manter o comunismo nas docas e cultivar os movimentos de esquerda mais amplos no Brasil. Essa campanha seria operada pelo Departamento de Pesquisa da Informação (IRD), a unidade secreta de propaganda da Guerra Fria do Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido.

‘É necessário considerar a Revolução [em 1964] como o fim de um capítulo. O objetivo imediato do IRD é alcançado ‘, escreveu um funcionário britânico da embaixada no Rio de Janeiro. ‘Para que o trabalho continue, é necessária uma nova abordagem baseada em objetivos de longo prazo; e a rede de contatos terá que ser reconstruída com base naquilo que permanecer viável, eficaz e cooperativo.’

Um dos primeiros e principais alvos desta operação foi o Última Hora, jornal brasileiro de esquerda, fundado em 1951 pelo jornalista e escritor Samuel Wainer. Durante a década de 1960, a circulação do Última Hora foi de aproximadamente 350.000, com 12 edições regionais e, em 1954, um recorde de 800.000 na edição que anunciou a morte do presidente Getúlio Vargas.

Wainer continua sendo um herói no Brasil. Desde a década de 1950 até sua morte em 1980, foi uma figura extremamente influente na mídia e na esquerda brasileiras, e destaque na cultura popular por meio de sua esposa Danuza Leão, jornalista, modelo e irmã da artista da Bossa Nova Nara Leão, que era membro do Partido Comunista do Brasil, o PCB.

Em 1964, o Última Hora foi o único jornal convencional a defender o governo de João Goulart e a se opor ao golpe militar. As corajosas decisões editoriais de Wainer durante esse período ainda são lembradas com carinho, assim como sua resistência à ditadura e histórias de intervenção pessoal para salvar jornalistas da prisão, tortura ou assassinato nas mãos da polícia secreta.

O Última Hora foi o único grande jornal a se opor diretamente ao golpe de 1964, apoiado pelos EUA, contra o presidente João Goulart.

A hostilidade do Última Hora à ditadura foi reconhecida pelos estrategistas britânicos, que observaram que o jornal havia sido temporariamente ‘fechado pelo governo na época’ do golpe e que seu editor ‘Samuel Wainer escapou… quando uma ação repressiva… foi tomada contra o governo’). Jornais brasileiros. [FCO 95/491] Wainer permaneceu exilado do Brasil até 1967.

O Última Hora, portanto, representava uma ameaça e uma oportunidade para os estrategistas britânicos. Se Wainer pudesse ser alimentado pelas autoridades inglesas, a linha radical do jornal poderia ser atenuada, enquanto sua reputação poderia ser alavancada em nome dos interesses britânicos.

As tentativas de influenciar o Última Hora começaram seis meses após o golpe. Em uma carta do embaixador britânico no Brasil, RJD Evans, para o oficial de IRD JE Jackson, datado de 30 de setembro de 1964, Evans discutiu ‘acordos não oficiais’ para reuniões do IRD com ‘os diretores do Jornal do Brasil e um vice-presidente e editor do Última Hora’. 

Em 1968, as autoridades britânicas no Brasil se gabavam de que o adestramento do Última Hora fosse um fato consumado: o oficial de IRD da Grã-Bretanha, R.A. Eles alegaram que Wellington encorajara com sucesso Wainer a tirar os dentes do radicalismo do Última Hora.

Como diz o arquivo: ‘Nosso material [do IRD] vai para membros seniores das Forças Armadas, o Serviço Nacional de Inteligência, a imprensa, incluindo a esquerda Última Hora, cujo editor Samuel Wainer foi assiduamente cultivado pelo Sr. Wellington; igreja, estudantes e líderes sindicais ‘.

Os funcionários do IRD agradeceriam figuras influentes como Wainer em reuniões, almoços e passeios não oficiais, durante os quais sugestões e recomendações sutis seriam transmitidas. Outra via para ganhar influência foi a transmissão de material sensível e digno de nota, frequentemente obtido pelos serviços secretos britânicos.

 O documento do governo do Reino Unido em 1969, tirado do sigilo em dezembro de 2019, revela o “cultivo assíduo” de Samuel Wainer no IRD.

Wellington havia sido nomeado pela embaixada britânica no Brasil em maio de 1963 com a “prioridade central” de “investigar as lacunas” no “fluxo de material de propaganda anticomunista que chegava à imprensa, estações de rádio”. Wellington também foi instruído a “se concentrar … nos contatos pessoais que ele já fez” no país. [FO 1110/1623]

Em 1969, as autoridades britânicas estavam convencidas de que Wainer havia sido trabalhado com sucesso. ‘A transformação do Última Hora de um jornal quase comunista, de extrema esquerda, em um diário de oposição respeitável e respeitado’, revela outro documento tirado de sigilo recentemente, ‘foi auxiliada pela relação especial entre o oficial do IRD e o fundador e presidente do jornal, Dr. Samuel Wainer ‘.

Uma visita real

Embora seja impossível quantificar o impacto que as autoridades britânicas tiveram na produção do Última Hora, eles se gabaram de que isso havia sido significativo.

Um arquivo observa que ‘a cobertura produzida pelo Última Hora no momento da visita da Rainha foi considerada o melhor produzida por qualquer jornal brasileiro. Os americanos até nos perguntaram quanto havíamos pago ao jornal. Nem um centavo, é claro que é a resposta’. [FO 95/491]

Em novembro de 1968, a rainha Elizabeth II e seu marido, o príncipe Philip, haviam liderado a primeira visita oficial da monarquia britânica ao país. A visita de Estado foi chamada de “a melhor arma” da diplomacia britânica. O chefe de Estado da Grã-Bretanha não retornaria depois que a democracia fosse restaurada na década de 1980.

Saudado pelo general Artur da Costa e Silva, o segundo de cinco ditadores que seguiram o golpe militar apoiado pelos EUA quatro anos antes, o casal real visitou Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, cuidadosamente demonstrando evidências do suposto ‘milagre econômico’ brasileiro. A narrativa era que o Brasil havia sido “salvo do desastre do comunismo” em 1964 – algo que até hoje é acreditado pelo presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores.

Com seu regime ainda banhado pelo brilho da visita real, apenas algumas semanas depois Costa e Silva implementaria o Ato Institucional Número 5.

Os efeitos sociais do AI-5, o “golpe dentro do golpe” neo-fascista ainda assombram o país hoje. O AI-5 aboliu o habeas corpus e transformou uma ditadura já repressiva em um inferno de perseguição política, corrupção, censura, tortura e genocídio. A barbárie intensificou-se ainda mais sob o sucessor de Costa e Silva, o general Emílio Médici. O governo de Médici era famoso por seu slogan “Brasil: Ame ou deixe”, que provocava exilados do regime, ex-oponentes, artistas e intelectuais levados ao exílio pelo medo, como Gilberto Gil e Caetano Veloso, que escaparam ironicamente para Londres.

No entanto, a situação degenerativa dos direitos humanos no Brasil evidentemente não preocupava os britânicos.

Em sua revisão anual de dezembro de 1972, o embaixador do Reino Unido no Brasil, David Hunt, desconsiderou as preocupações com direitos humanos no Brasil. Abstendo-se da liderança, ele culpou o mau policiamento e a má imprensa estrangeira, organizações maliciosas como a Anistia Internacional, e deu seu apoio entusiástico ao sangrento domínio de Médici, chamando-o de ‘um presidente genuinamente popular que é patentemente honesto e sincero em seu desejo de promover o bem-estar de todas as partes do povo brasileiro’.

Escrevendo em 1970, o adido de defesa britânico P.B. Winstanley concluiu: “Apesar da apatia obtusa do povo, o país está avançando tão rápido quanto, talvez, a natureza de seus milhões de mulatos o permita”.

Wainer acabou vendendo o Última Hora para o grupo Folha em 1971 e faleceu em 1980. Não foi possível encontrar um porta-voz do Última Hora para a publicação deste artigo.

A penetração britânica na mídia brasileira durante a ditadura iludiu quase toda a atenção acadêmica, com a notável exceção dos livros do jornalista brasileiro Geraldo Cantarino ‘Segredos da propaganda anticomunista’ e ‘A ditadura que o inglês viu’.

‘Guerra psicológica’

Os arquivos também detalham como a Grã-Bretanha ministrou ‘cursos de treinamento de quinze dias em junho de 1969 a dois membros de um grupo de inteligência especial do Ministério das Relações Exteriores do Brasil’. Notavelmente, o arquivo observa que este curso de treinamento foi realizado na “Seção de Guerra Psicológica” do Old Sarum Airfield, em Wiltshire.

‘Após sua visita à Seção de Guerra Psicológica em Old Sarum’, o arquivo diz: ‘os estagiários [brasileiros] sugeriam ao seu Ministério da Defesa que eles investigassem o envio de membros das Forças Armadas para outros cursos do Exército britânico’.

Esse assunto sobre o treinamento de tortura do Reino Unido no Brasil foi explorado em detalhes em ‘Segredos de Estado. O Governo Britânico e a Tortura no Brasil. 1969-1976’, de João Roberto Martins Filho.

Pensa-se que o treinamento militar britânico para a ditadura brasileira começou no final dos anos 1960, quando os militares brasileiros desenvolveram ‘métodos sofisticados de interrogatório [também conhecidos como tortura] … influenciados por sugestões e conselhos emanados’ dos militares britânicos. A localização exata, no entanto, é revelada no arquivo recentemente tirado de sigilo.

De acordo com documentos vazados pelo Joint Warfare Establishment em Old Sarum, ‘o principal objetivo das operações da Guerra Psicológica é apoiar os esforços de todas as outras medidas, militares e políticas, contra um inimigo para enfraquecer sua vontade de continuar hostilidades e reduzir sua capacidade de guerra… Pode ser dirigida contra o partido político dominante no país inimigo, o governo e/ou contra a população como um todo, ou elementos particulares dela’.

De fato, a guerra psicológica foi usada contra amplas seções da população brasileira. Em 2014, uma Comissão da Verdade constatou que ‘sob a ditadura militar [brasileira], a repressão e a eliminação da oposição política eram devidas à política do estado, concebida e implementada com base em decisões do presidente da República e dos ministros militares’. Durante esse período, 191 pessoas foram mortas, 243 ‘desapareceram’ e muitas outras foram torturadas. Os números não oficiais são significativamente maiores. E essa política, como evidenciam os documentos, foi parcialmente informada pelos conselhos do governo britânico.

Apoio britânico a Bolsonaro

O evidente desejo britânico pela continuidade da ditadura neofascista no Brasil tem paralelos no presente.

Em 1972, o ex-primeiro-ministro e secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Commonwealth, Sir Alec Douglas-Home, escreveu com alegria que a oposição de esquerda no Brasil havia sido praticamente eliminada e expressou otimismo sobre o que chamou de “ditadura benevolente” que continuaria por ‘muitos anos por vir’.

‘Parece mais do que provável que até 2030’, continuou ele, ‘antes que os estudantes de hoje cheguem aos oitenta anos de idade, o Brasil realmente terá se transformado naquele’ país do futuro ‘pelo qual tantas gerações de brasileiros buscaram em vão’ . O antecessor de Hunt, o embaixador Sir John Russell, havia concluído anteriormente: ‘Os brasileiros ainda são um povo tremendamente de segunda categoria: mas é igualmente óbvio que eles estão a caminho de um futuro de primeira classe’.

Hoje, o Brasil está novamente sob um governo autoritário e de extrema direita – agora liderado pelo neofascista Jair Bolsonaro, que considera a ditadura uma época de ouro, e descreveu o quinto e último desses ditadores, João Figueiredo, como o “último verdadeiro presidente” de seu país.

Bolsonaro enfrenta vários pedidos de investigação no Tribunal Criminal Internacional de Haia por “incitação ao genocídio e ataques sistemáticos generalizados contra os povos indígenas”. Isso foi antes de sua resposta à pandemia de Covid-19 resultar em 65.000 mortes.

Números requisitados pela Liberdade de Informação revelaram evidências de apoio britânico contínuo ao presidente de extrema-direita brasileiro. Reuniões secretas, por exemplo, foram realizadas entre autoridades britânicas e Bolsonaro antes, durante e após a campanha eleitoral brasileira em 2018, com um governo Bolsonaro oferecendo vantagens claras aos interesses britânicos. A lista redigida de nomes que compareciam a essas reuniões incluía seus filhos, seu ministro da Economia Paulo Guedes e o núcleo militar de seu eventual governo.

Prova da manipulação britânica na mídia, e principalmente de jornalistas de esquerda e editores progressistas, provavelmente causará consternação no Brasil e na própria Grã-Bretanha.

De fato, as tentativas do Serviço de Segurança britânico de neutralizar o jornal The Guardian nos mostram que essas práticas estão longe de morrer.

Fonte: Brasil Wire (Por John McEvoy e Daniel Hunt)

Deixe uma resposta