A Liquidação da CEITEC

postado em: Economia, Mídia, Sem categoria, Trabalho | 0

É bastante evidente que a soberania de países desenvolvidos como EUA, Alemanha, Rússia, Japão, entre outros, tem relação direta com os investimentos relacionados ao seu desenvolvimento científico e tecnológico estruturados pelo Estado. O Brasil que nunca na história teve um grande apetite de investimento no setor, desde 2016 reduziu drasticamente seus gastos em ciência e tecnologia.

Recentemente a RádioCom recebeu no Contraponto Debate, o Engenheiro e Inovação e Patentes da CEITEC, porta voz da associação de colaboradores, Júlio Leão.

O que é a CEITEC ?

A CEITEC S.A. é uma empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) que atua no segmento de semicondutores desenvolvendo soluções para identificação automática (RFID e smartcards) e para aplicações específicas (ASICs). A empresa projeta, fabrica e comercializa circuitos integrados para identificação animal, identificação veicular, identificação pessoal, identificação de entidades e identificação sensorial além de serviços relacionados ao setor. Seus produtos aplicam-se a soluções de identificação de animais, medicamentos, hemoderivados, pessoas e veículos, além de autenticação, gestão de inventário, controle de ativos, entre outras. Localizada em Porto Alegre, a CEITEC S.A. desempenha o papel estratégico no desenvolvimento da indústria de microeletrônica do Brasil.

Segundo Júlio, entre as estatais brasileiras, a empresa é a que possui o maior nível de profissionais qualificados com quase 60% dos 180 colaboradores com no mínimo pós-graduação, mestrados, doutorado ou pós-doutorado. Além disso, apenas 10 do total de colaboradores não são concursados.

Existem no mundo, apenas 8 empresas com certificação internacional para a fabricação dos Chips de passaportes. A CEITEC é uma dessas empresas, a única no hemisfério Sul.

“A CEITEC é muito cobrada hoje sobre seu faturamento, que vem aumentando e a cada dois anos vem dobrando o seu faturamento. De 2017 para 2019, dobrou e 2019 para 2021 irá dobrar novamente, afirmou o representante dos funcionários.”

Diversos projetos e produtos encomendados pelo governo federal, foram desenvolvidos e fabricados pela CEITEC e deixados de lados na prateleira. Isso atrasou o início de faturamento da empresa, que ao notar a dificuldade de vender os produtos para o Estado, passou a fazer produtos para iniciativa privada aumentando seu faturamento.

“Dei como exemplo o chip do passaporte, são poucas empresas no mundo que fazem e hoje, a Casa da Moeda usa o chip importado. Não tem realmente nenhuma explicação que se possa pensar para não usar o chip da CEITEC, falou Júlio.

Outro importante exemplo para citar, como a importância e relevância no papel de uma estatal com investimento feito em ciência e tecnologia, são os desenvolvimentos no setor de saúde. Com a pandemia de COVID-19 muitas soluções para prevenção e detecção dos vírus foram desenvolvidas. A CEITEC já tem uma parceria com uma empresa que detém a patente sobre um sensor para detecção de COVID, o produto já foi testado na linha de produção e já existem inclusive alguns protótipos para a homologação de produção na CEITEC.

Para o engenheiro Leão, “A capacidade de produção da CEITEC deste tipo de sensor, é de 50 mil sensores por dia, com pequenos ajustes que tenha que se fazer na linha de produção. A empresa que é nossa parceira, fabrica cerca 200 sensores por dia.”

Ou seja, a empresa não só dispõe da capacidade tecnológica para produção de ponta e de muita relevância, mas além disso, tem a capacidade de produzir em larga escala.

GOVERNO BOLSONARO

Pois recentemente, foi publicado no Diário Oficial da União, uma resolução (Resolução nº 130), de 17 de julho de 2020, que opina pela “dissolução societária do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. – CEITEC” e a “publicização das atividades direcionadas à pesquisa científica, ao desenvolvimento tecnológico e à inovação em microeletrônica”. Tal resolução sugere a dissolução societária como alternativa de modalidade operacional para a desestatização da companhia (inciso V do Art. 4º da lei nº 9.491, de 9 de setembro de 1997). 

O ministro da Economia Paulo Guedes, nomeou Salim Mattar ( já demitido) como secretário de Privatizações do governo de Jair Bolsonaro. Salim Mattar é um empresário, dono da Localiza, maior empresa de aluguel de carros do Brasil e a mais valiosa do segmento no mundo. Ele também foi o quarto maior doador das eleições. Doou mais de R$ 2,9 milhões, distribuídos a 28 candidatos, incluindo o ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni e Rodrigo Maia.

Para ele, mesmo antes de qualquer estudo ou análise, o CEITEC deveria fechar, sem conhecer de fato as potencialidades da CEITEC, de maneira pejorativa, menciona a empresa com o apelido de “a empresa do brinco de boi”, um dos chips feitos pela empresa e que representa menos de 1% do seu faturamento.

“A impressão que se tem é que o Sallim quando entrou já tinha uma decisão tomada e que o estudo que foi feito, foi feito de maneira que desse suporte a decisão que já estava tomada antes de começa o processo, ressalta Leão.”

O Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) foi criado, no âmbito da Presidência da República, pela Lei nº 13.334, de 2016 com a finalidade de ampliar e fortalecer a interação entre o Estado e a iniciativa privada por meio da celebração de contratos de parceria e de outras medidas de desestatização.

A secretaria de PPI junto com a secretaria de desestatização, elaboraram um relatório de 200 páginas em que conclui que a CEITEC deve ser fechada.

Acontece que a elaboração de tal documento, foi feita sem a consulta de qualquer especialista da área de semicondutores, de maneira rasa e com inúmeros questionamentos sem respostas. Os colaboradores da CEITEC, que tiveram acesso ao relatório somente depois de pronto, apontaram vários questionamentos e mostraram para os representantes das secretarias, o quanto incorreto e incompleto estava o documento.

A intenção agora é evitar que o Presidente da República assine o decreto de liquidação da CEITEC, que é de uma resolução feita a partir de um documento incorreto.

 “Existe uma pesquisa internacional, de uma associação das indústrias de semicondutores, Semiconductor Industry Association (SIA), eles mostram que para cada dólar investido em semicondutores, se retorna 16,5 vezes esse valor no PIB do país por meios indiretos. Como eu falei, nossos clientes aumentando seus faturamentos. Então esta visão estratégica é que está faltando para as pessoas que estão decidindo o futuro da CEITEC, reitera o engenheiro Julio Leão”.

Acompanhe o vídeo com a entrevista na RádioCom no programa Contraponto Debate, o Engenheiro e Inovação e Patentes da CEITEC, porta voz da associação de colaboradores, Júlio Leão. Aproveite e faça a sua inscrição no canal do Youtube da RádioCom

Fonte: Felipe Vidinha é aluno da (UCPEL), integrante do Núcleo Popular de Jornalismo.

Deixe uma resposta