2022 é logo ali (só que não) por enilton grill

nos anos 60 e 70 e início dos 80, durante a ditadura militar, todo mundo sabia que, para ter eleições diretas para presidente, era necessário, primeiro, derrubar os generais de plantão, ou, então, esperar que eles fossem embora por conta própria (que foi mais ou menos o que aconteceu). claro, teve a campanha pelas diretas já. mas isso é outra história. aliás, no meu entender, meio que mal contada. outra hora, com mais calma, falo o que penso dela.

agora, neste momento, queria apenas relacionar a ditadura de ontem com a de hoje. sim, acredito que já estejamos em plena ditadura. e não é de hoje. penso que a ditadura dos dias de hoje, teve seu início em 2016, com o golpe em dilma.

todavia você há de se perguntar por que falo isso? simples. porque vejo, cada vez mais, pessoas em geral, falando, ao mesmo tempo, em ditadura e nas eleições de 2022. na minha opinião, das duas uma: ou estamos numa ditadura e, portanto, não haverá eleições em 2022 — caso haja, será uma fraude, um estelionato eleitoral, como foi essa última –, ou estamos numa democracia e, neste caso, não temos porque nem com o que nos preocupar, temos apenas que esperar o tempo passar. e o tempo, aliás, tem passado cada vez mais rápido. 2022 é logo ali. só que não.

grill

.
.
.
.
.

em tempo: digo que, se estivermos em plena ditadura (como penso que estamos) não haverá eleições em 2022, por duas razões:

uma: não vejo movimento, por parte das esquerdas, suficientemente forte, capaz de derrubá-la. ao menos até o presente momento. amanhã há de ser outro dia. tomara que seja.

outra: não sinto, não vejo, não percebo, por parte da família bolsonaro e demais asseclas à sua volta, sinais de cansaço, que apontem para uma retirada por conta própria.

torço, porém, para estar enganado. tomara esteja.

mas, não se preocupem muito com o que o que digo, com o que escrevo, com o que penso, afinal, a esperança é a última que morre… e eu já estou velho… e, como todo velho, cada vez enxergo menos.

moral da história: talvez o país esteja em ebulição e as coisas acontecendo. eu é que não estou vendo.

Fonte: Eniton Grill é colunista do Site da RádioCom

Deixe uma resposta